Make your own free website on Tripod.com

Opinião

Leia as colunas dos atleticanos


 
 
 
                Loriano Modzinski
 

@tleticanos,

Estou com cãibras no rosto de tanto sorrir.

Até que enfim a justiça foi feita no campo. Depois de nos roubarem
descaradamente por dois anos seguidos, os bandidos foram pegos no pulo, e melhor, nem precisamos brigar fora de campo para essa conquista. Ela foi na raça, na categoria de nossos jogadores, na vontade, no abafa, na superação. Nós não só ganhamos um título, ganhamos um time, ganhamos ídolos, ganhamos heróis.

O que dizer de Flávio, que fechou o gol. E o Edinho? até a mão ele pôs
na bola pra não deixar entrar. Gustavo e Neto, com seus chutões, sem a
categoria que a gente sempre espera, mas com a raça daqueles que vestem a camisa com amor.

E o Dedé? Dedé é pé quente, Dedé é chute forte, Dedé é gol, Dedé é
alegria. Wilson e Renato, a raça e a vontade em seu explendor. Que maravilha vê-los jogar. Qualquer time no mundo sonha ter uma dupla dessas no time. Não tinha bola perdida, não existia espaço vazio no campo. Comeram a bola, passaram como um trator por cima de tudo e de todos.

Sofremos com a falta de técnica do Luisinho, mas vontade ele nunca
deixou de mostrar. Correu como um louco, saia sempre exausto de campo, matou o arrogante Rubens Jr.

E o Paulo Miranda, tão criticado, às vezes odiado, xingado pela torcida. Ele também deu sua contribuição, com as suas belas jogadas, seu sangue frio e sua visão de jogo.

Na frente, a "piazada": Alex, Adriano, Varlei e Tuta. Não temos um time
titular, todos jogaram, todos vestiram a camisa, do seu jeito, na sua hora,
sem medo.

Que espetáculo deu o Adriano nos atletibas, a muito tempo eu não via uma tourada tão bonita, o Ronaldão deve ter tido mil pesadelos essa noite.

O Tuta, fora das finais, mas quando esteve em campo manteve nossa
tradição de artilheiros. O Alex, de toques belos e rápidos, que golaço vez, deixando os coxas de 4. Prometeu e deu o título ao amigo Tuta.

E Varlei, o menino que saiu do time verde e veio para a Baixada, sentiu a diferença de ter uma torcida jogando com ele, de ter apoio e de ter o
carinho que só os atleticanos podem dar.

E Nélio, o cala-boca, o quebra-nariz, o gol-espírita, o atrevido, o capeta, o jogador que faltava: o herói. Dá-lhe Nélio, o "Fio Maravilha do Furacão".

Abelão, não tenho nada a dizer, só que ele é o campeão. Deu um nó no Spinhosa, campeão do mundo...

    Valeu time, valeu torcida, valeu Petraglia, valeu Atlético. EU TE AMO!
 

Mande sugestões, críticas e elogios para essa coluna: furacao@tripod.net. 
 

 
 
 Loriano Modzinski é um @tleticano na Internet.
 

 
 
Voltar para a Página Principal de Opinião
 
Quero voltar para a Página inicial